OUÇA A RÁDIO AO VIVO 28685197_1541513555965219_3053291728455425754_n

NO AR:
Doutores do Riso
Airton Rathke, Vinícius Vargas e Valmor Reckziegel. - 20:00h às 23:00h

Notícias

Comissão de Transição debateu renovação do contrato com o Hospital

Sexta-Feira, 02.12.2016 às 20h
02 dezembro- comissão transição hospital

Em reunião realizada os atuais gestores de Horizontina, Nildo Hickmann e Dionir Bianchi, apresentaram à equipe de representantes do futuro governo a preocupação em renovar o contrato com a Associação Hospitalar Oswaldo Cruz, que finda no dia 31 de dezembro.


O assunto foi tratado na Comissão de Transição, que concentra representantes de ambos os governos: atual e futuro. A equipe de Nildo Hickmann tem a tarefa de auxiliar os representantes de Antônio Lajus e Jones Cunha, repassando informações acerca do trabalho e da estrutura que vem sendo mantida na Administração Municipal.


Para tratar da renovação, foram convidados para a reunião o procurador do Município, Tiago Neu Jardim, o promotor da 2ª Promotoria de Justiça, Ricardo Campineiro, e os representantes da Associação Hospitalar: Mario Alberto Gaspar dos Santos, vice-presidente, e Jacob Mayer, tesoureiro.
Conforme destacou o prefeito, Nildo Hickmann, a reunião teve o intuito de discutir com a nova gestão se há interesse em se manter o convênio, que consome aproximadamente R$ 165 mil mensais dos cofres públicos. O vice, Dionir Bianchi, explicou que o Município contrata consultas e, ainda, o atendimento do Plantão. Para que haja uma constante avaliação da prestação dos serviços, a Ouvidoria do Município tem consultado regularmente 10% das pessoas que foram atendidas, buscando um retorno do atendimento.

 

O Procurador Tiago Jardim destacou que a saúde em Horizontina avançou de forma considerável nos últimos anos. No entanto, acredita que o contrato com a Associação Hospitalar precisa ser revisto, assim como as competências do Município, Estado e União. “Isso precisa ocorrer para que não haja uma sobreposição de gastos. O que é competência do Samu Salvar, o que pode ser absorvido pelas unidades de saúde e pelo Hospital Oswaldo Cruz? O que o Município deve custear e o que é obrigação do Estado e da União?”, questionou o procurador.


Nildo Hickmann mostrou a preocupação no número de consultas que estão sendo realizadas em Horizontina: até 2013, eram aproximadamente 33 mil por ano, somente na rede púbica. Hoje, a média de 60 mil por ano.


Jones Cunha, futuro vice-prefeito, destacou que a nova gestão não quer interromper a prestação de serviços. Como alternativa, lançou a possibilidade de se renovar o contrato por um período menor, de seis meses, para que no período novas discussões sejam encaminhadas e aprofundadas e a Associação Hospitalar apresentar as reivindicações que deseja. Um dos pedidos da Associação é o reajuste integral do atual contrato, por exemplo, antecipou Cunha.

 

FONTE DRIKA MORAES


VOLTAR IR AO TOPO